Post Live to VOD

7 visualizações

ENRIQUECIMENTO DA EXPERIÊNCIA DE TV AO VIVO

Hoje, as linhas entre serviços de TV ao vivo e vídeo sob demanda (VOD) são desfocadas. Bater o botão de pausa para fazer uma pausa rápida durante um jogo de futebol ao vivo não é mais um impulso do torcedor fanático; é uma expectativa prática. A repetição de uma cena de uma transmissão de TV ao vivo é tão simples como bater o botão de rebobinar e recuperar o último episódio do programa favorito é apenas uma opção de menu. Embora esses recursos de VOD façam todo o sentido para os usuários finais, implementá-los requer um bom planejamento futuro.

Este post foca em como as emissoras de TV podem enriquecer melhor a experiência de TV ao vivo com recursos baseados em VOD. Não abrange o VOD tradicional de pagamento por visualização, mas sim olha como as emissoras de TV podem agregar valor às transmissões ao vivo criando ativos de VOD em tempo real, acessíveis na nuvem. Embora a satisfação e lealdade do cliente sejam objetivos importantes para as emissoras, a receita publicitária também é. Os recursos de Live-to-VOD oferecem novas maneiras de empacotar conteúdo ao vivo ao lado de publicidade segmentada.

Além das escolhas tecnológicas envolvidas na implementação de serviços de Live-to-VOD, há também uma série de cenários legais e contratuais que precisam ser considerados. Alguns proprietários de conteúdo premium não permitem que as emissoras de TV empacotem transmissões ao vivo em conteúdo de VOD, enquanto outros incentivam isso em troca do compartilhamento de receitas. Os regulamentos relativos aos serviços de Catch-up TV e DVR também variam de acordo com o mercado, às vezes exigindo soluções tecnológicas para garantir a conformidade. Para entender melhor os problemas envolvidos, vejamos os diferentes tipos de serviços de Live-to-VOD e como eles podem ser implementados.


SERVIÇOS DE DVR E nPVR - APENAS PRESSIONE O REC

A capacidade de criar e armazenar gravações pessoais de conteúdo de TV ao vivo existe desde a invenção do videocassete. Os telespectadores de hoje agora dão por certo que um set-top box (STB) do tipo DVR pode ser incluído em sua assinatura de TV paga.

Oferecer DVR local ou a funcionalidade de gravador de vídeo pessoal baseado em nuvem (nPVR) ajuda os operadores de TV paga a fidelizar seus clientes. Se um usuário estiver satisfeito com a forma como um serviço nPVR executa, eles serão menos propensos a mudar para um competidor e aprender a navegar por uma interface totalmente nova. Juntamente com um mecanismo de recomendação, um serviço nPVR também é um excelente incentivo para que os assinantes consumam mais conteúdo de TV. Se o arquivo de vídeo é armazenado em um disco rígido integrado em seu set-top box ou em um servidor na nuvem faz pouca diferença para os usuários, desde que o serviço seja fácil de usar e funcione. Permitir o mesmo guia de programa eletrônico familiar tanto para o conteúdo ao vivo quanto para acesso às gravações nPVR fornece uma interface de usuário limpa e intuitiva. O nPVR também pode ser aplicado ao Catch-up TV. Isso permite que os assinantes convertam qualquer programa a partir do conteúdo de Catch-up TV em nPVR, de modo a não ficarem limitados ao período de tempo oferecido pelo serviço de Catch-up TV, que em geral disponibiliza apenas a programação dos últimos três dias.

Para operadores de TV paga, a capacidade de armazenar arquivos de vídeo centralmente como um serviço nPVR gerenciado oferece muitas vantagens em relação ao DVR. Para começar, é muito mais fácil e menos dispendioso do que gerenciar centenas de milhares de DVR de set-top box. Os discos rígidos são o principal ponto de falha para STBs. De acordo com um estudo da Backblaze, mais de cinco por cento dos discos rígidos falham no primeiro ano de uso. O número passa para 22 por cento ao longo de um período de quatro anos. O custo médio estimado de substituição de um disco rígido set-top box é de aproximadamente US$ 100. Com uma taxa de falha de cinco por cento, um operador de TV paga com uma base instalada de um milhão de STBs teria que substituir 50.000 discos rígidos STB por um custo de US$ 5 milhões por ano. Por conseguinte, é muito mais rentável eliminar o disco rígido do STB e, em vez disso, oferecer um serviço nPVR. O custo de manter um data center ou encomendar armazenamento baseado em nuvem especificamente para nPVR é significativamente menor ao longo do tempo.

O nPVR também possibilita algumas oportunidades interessantes de inserção de anúncios personalizados. Embora alguns usuários possam estar acostumados a ignorar anúncios ao visualizar o conteúdo do DVR, se os anúncios estiverem melhor segmentados, o telespectador pode ser menos propenso a fazê-lo. Além disso, é possível medir quantos visualizadores assistiram os anúncios em vez de ignorá-los, permitindo um modelo de publicidade por pagamento.

Como alternativa aos comerciais tradicionais, as sobreposições digitais podem ser altamente eficazes e menos intrusivas. Por exemplo, uma sobreposição digital com um link para um pacote de viagem atraente para Marrocos seria não apenas relevante, mas também útil para um espectador assistindo um documentário de viagens gravado sobre o norte da África.

Apesar da simplicidade aparente de gerir um serviço nPVR centralizado, questões legais precisam ser levadas em consideração, dependendo do mercado. Às vezes, as linhas entre nPVR e Catch-up TV são divergentes. Por exemplo, alguns operadores de TV paga podem não ser autorizados a oferecer nPVR de determinados conteúdos premium, mesmo que os usuários mantenham o direito legal de gravar uma cópia para uso pessoal. Isso fica complicado quando o mesmo arquivo é usado para Catch-up TV e nPVR, uma solução eficiente tecnicamente, mas que pode resultar em complexidades legais. Nos Estados Unidos, por exemplo, as gravações individuais de programas de TV são permitidas sob a famosa decisão da Suprema Corte de Betamax de 1984, posteriormente estendida à nPVR por um apelo judicial de 2008 a favor da Cablevision, desde que as gravações sejam feitas na direção de um usuário e apenas acessível por esse mesmo usuário. Contudo, a conversão de um programa de Catch-up TV em um vídeo nPVR nem sempre é permitida pelo provedor do conteúdo.

Ao projetar e implementar um serviço nPVR, é importante considerar o tipo de sistema de armazenamento mais adequado aos fluxos de trabalho de transmissão existentes, bem como aos requisitos legais. Nos casos em que é necessário um sistema de armazenamento separado, a escalabilidade e flexibilidade rápidas tornam-se muito importantes. Ao contrário de serviços de Catch-up TV, é impossível prever com precisão quanto de armazenamento a base de assinantes estará usando para nPVR. Definir um limite de armazenamento é uma forma de gerenciar as expectativas, no entanto, se o limite estiver muito alto, isso poderá implicar investimentos de capital desnecessariamente onerosos. Outra opção é, portanto, depender de um serviço de armazenamento baseado em nuvem de terceiros para acomodar picos de armazenamento.

Quanto à monetização, os operadores de televisão por assinatura precisam decidir se desejam ou não incluir a inserção do anúncio, e se o fizerem, eles precisam acomodar as diferenças entre a Catch-up TV e a publicidade nPVR. Este último precisa ser muito mais direcionado e menos intrusivo - caso contrário, o operador corre o risco de afugentar os espectadores do serviço.


CATCH-UP TV - NUNCA PERCA UM PROGRAMA

Para se manterem competitivos, a maioria dos operadores de TV paga agora oferecem serviços de VOD com pagamento por visualização ou baseados em assinatura, em complemento a programação de TV linear ao vivo. No entanto, os serviços gratuitos de VOD oferecidos por emissoras de TV aberta, como o Catch-up TV, revelam-se extremamente populares. Isso pode ser parcialmente explicado pelo sucesso de ofertas over-the-top (OTT) como o Netflix que ignoram os pacotes de operadores de TV paga.

No entanto, o Catch-up TV também é uma alternativa atraente aos filmes sob demanda, adicionando ainda mais valor à audiência de uma emissora de TV aberta. Cerca de onze meses depois da emissora TV Globo ter lançado seu serviço de Catch-up TV, a Globo Play, mais de nove milhões de pessoas já haviam baixado o aplicativo, por meio de smartphones e outros dispositivos conectados. Isto adicionou ainda mais valor à TV Globo, como uma plataforma de publicidade.

Embora a Catch-up TV seja muitas vezes vista pelas operadoras como um serviço VOD fácil de implementar, há uma série de questões técnicas a considerar. Em primeiro lugar, é importante descobrir a forma mais eficiente e econômica de transformar o canal ao vivo em VOD sem impactar os fluxos de captura e distribuição de vídeo existentes na emissora. Os menus de navegação na grade de programação dos aplicativos devem estar sempre atualizados com as informações corretas de modo a haver uma correspondência do conteúdo VOD com os dados do EPG da emissora de TV. Armazenamento e velocidade também entram em jogo. Quanto espaço os arquivos de Catch-up TV exigirão e quão rapidamente após a conclusão de um programa esses recursos poderão ser disponibilizados aos telespectadores?

A tecnologia de Live-to-VOD da plataforma EiTV CLOUD tem a solução para todos os desafios acima.


UMA OPORTUNIDADE PARA SOLUÇÕES BASEADAS EM NUVEM

Conforme discutido anteriormente, podem haver desafios a serem superados ao projetar uma solução de Live-to-VOD. Um desafio é a escalabilidade e o armazenamento está no cerne desta questão. Se um emissora de TV quiser lançar um serviço de Catch-up TV, isso pode gerar rapidamente um enorme catálogo de conteúdo de VOD, e os recursos de armazenamento devem crescer instantaneamente para acomodar isso.

Neste caso, uma solução de armazenamento baseada em nuvem, como a plataforma EiTV CLOUD, torna-se relevante. Devido à elasticidade inerente da plataforma, as emissoras de TV só pagarão quando o Catch-up TV estiver sendo usado. Isto é muito competitivo em termos de custos quando comparado a uma solução de armazenamento local onde os operadores de serviços tradicionalmente têm que dimensionar o armazenamento para acomodar a maior carga possível, mesmo que seja usado menos de cinco por cento do tempo.

Os benefícios da escalabilidade da nuvem aumentam não apenas o gerenciamento de armazenamento, mas também a solução de entrega de vídeo de ponta a ponta. Ao usar infra-estrutura em nuvem, adicionar um novo canal é rápido e fácil. A criação de canais temporários, que uma emissora de TV pode usar para aumentar a cobertura de um evento ao vivo, como esportes, torna-se prática. Os canais temporários podem ter os mesmos recursos Live-to-VOD que os canais primários, mesmo que os canais temporários sejam necessários apenas por alguns dias. Em suma, a cadeia de processamento e entrega pode ser implantada pelo tempo necessário e depois desativada, tornando mais econômica e rápida a implementação nas emissoras de TV aberta.

As soluções baseadas em nuvem são mais rápidas de implantar e normalmente requerem menos recursos operacionais do que as implantações locais. A logística do gerenciamento de hardware - máquinas de rack, definição da topologia e cabeamento de rede, suprimento de energia elétrica adequada e redundância para manter o hardware preparado para um ótimo desempenho - não é mais necessária. Um serviço completo de Live-to-VOD pode ser configurado usando a plataforma EiTV CLOUD em apenas alguns minutos. Este modelo se adapta muito bem a eventos ao vivo ou transmissão linear 24x7.


#LiveToVOD

Categorias: tecnologia